A gratificante rotina de assistir ao horário político eleitoral

A campanha eleitoral mal começou (com trocadilho) e já é motivo de uma crônica.
Peço lincença claro, aos vários cronistas que melhor fazem isto do que eu.
Pessoas de humor apuradissímo e inteligência admiradora como a galera da coluna do Agamenon, Erico Verissímo, Zuenir Ventura e tantos outros.
Mas não tive como suprimir a vontade de fazer algumas anedotas e escrever coisas inúteis ou muitissímo úteis, depende do ponto de vista de cada um.
Portanto, deixando esse papo cheio de churumelas de político faço agora minhas observações eleitorais.
Tem candidato que não tem culpa nenhuma de sua campanha não ser levada a sério.
Dúvida?
Então, pergunto: se o seu nome fosse Nildo Disconildo o que faria?
Já sei, mudaria de nome para se candidatar a deputado federal. Mas parece que o proprietário de tão singular referência não viu problema algum em usar este mesmo, e assim ficou: Para deputado federal vote Nildo Disconildo, o único combatente no congresso.
Pessoalmente, acho que foi para não desagradar a mãe dele.
Alías, por falar nisso, é perceptível a presença desta santa presença na vida dos nossos candidatos a deputado federal.
Somente isto, explica certos marketing que de profisisonais tem tudo de materno doméstico.
Afinal, apenas a santa reprodutora de um certo candidato ao Congresso pelo Rio de Janeiro, atenderia aos apelos televisivos de seu filho.
O candidato em questão, escolheu não dizer nada nos míseros segundos a que tem direito.
Para garantir votos, preferiu simplesmente aparecer segunrando um telefone e dizendo:
– Liga pra mim, Liga pra mim, Liga pra mim vote XXXX.
Só mãe dele deve ligar. Foi quase um integrante do grupo oitentetista Polegar:
“Liga pra mim não demora. Pra me dizer que me adora, etc”.
Afê, Nossa Senhora como dizem minha amiga paraíbana.
Mas vamos aos trocadilhos porque eles são os melhores:
Candidato Edson Pinto diz: Pinto neles. (a galera glbt deve ter adorado, e se segundo a diarista aqui de casa faltou caldo para o público feminino também gostar).
Outro candidato, o Canela seguiu a mesma linha, mas preferiu os trocadilhos com o esporte: Canelada nos corruptos, canela nos mensaleiros e canelada nos sanguessugas .
Mas é a sugestão de projetos inovadora que me fizeram ficar em dúvida entre dois candidatos a deputado federal.
O primeiro sugeriu em 5 segundos o FGTS CONSIGNADO (Economistas de plantão: Socorro!).
Já outro, segurou uma poodle branca pediu o meu, o seu, o nosso voto pelo fim da carrocinha.
Ai, não é fofo este candidato?
Sempre achei que isso só existia em filme americano e no desenho do Manda Chuva.
Quase convenceu. No entanto, como nunca vi uma carrocinha no Rio de Janeiro continuo na minha árdua tarefa de procurar um candidato para votar.
Mas se não fosse isso…Hmm, sei não. Acho que me conquistava.
Pelo menos, a Cora Rónai ele conquista.
Apesar que o negócio dela é gato.
Hehehehe.

Anúncios

Sobre Conversa no Banheiro

Uma jornalista fora do perfil. Repórter por essência.
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Uma resposta para A gratificante rotina de assistir ao horário político eleitoral

  1. Leo disse:

    Não entendo porque as pessoas reclamam de propaganda eleitoral na TV. Ver os candidatos a deputado é tão melhor que a maioria dos programas… 😛

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s