A visão de um “cria” da “Ocupação” da Rocinha

Robson Melo*

Durante toda a semana a Rocinha foi notícia. Não havia possibilidade de se falar do Rio sem tocar na ocupação da favela. E como na grande mídia o “meio” justifica o fim, a cobertura desse “evento” prometia. A Pacificação da Rocinha ganhou requintes Hollywoodianos, o roteiro de cortes secos e sem grandes interpretações não agradou aos produtores de audiência . Do ponto de vista de um espetáculo, como foi a operação no Alemão, a comunidade da zona sul carioca decepcionou os amantes de factoide.

No sábado (12/11), dia que antecedeu a incursão policial, eu desci de minha casa, que fica situada na parte intermediária da Rocinha, até a redação da TV Tagarela, esta na entrada da comunidade. No caminho conversei com dois amigos que saiam para o trabalho, um garçom, o outro pedreiro. Perguntei sobre a operação, de como as coisas ficariam por aqui.

De forma afinada os dois responderam que não sabiam de fato se iria funcionar, o pedreiro de 27 anos acrescentou; “E depois disso, vão fazer o que, você sabe? Nem eu, melhor nem eles e nem ninguém”, e finalizou; “Eu trabalho em obra desde os meus 16 anos, já me sinto cansado, carreguei muito cimento nas costas, mas até hoje não construí minha casa própria”. Esse depoimento é de fato uma preocupação dos moradores da Rocinha. Quando será a vez da habitação, lazer, educação e todos os serviços públicos a disposição das pessoas? A resposta vem de imediato e vem de um comerciante local; “Nunca meu filho, eles não moram aqui, os filhos tem motorista para levar na escola, na verdade eles têm escola de verdade, aqui a gente se contenta com o nada deles”. De início essas informações soavam contrastadas ao grosso que via e ouvia pela televisão e rádio. Mas quando se pensa no incômodo a reflexão assume seu papel e decodifica a situação. Bom a pacificação tira as armas de circulação, mas as feridas continuaram expostas, sem previsão de cicatrização. Despedi-me do comerciante e segui para a TV Tagarela.

Já passava das 14h e a Via Ápia (umas das principais entradas) já estava tomada de fotógrafos, e claro tudo é novidade. Fiz algumas fotos da ação da polícia revistando alguns carros de passeio e caminhões de entregas, mas preferi mostrar os fotógrafos registrando o episódio. Retornei a Tv Tagarela. Acompanhei pela Internet algumas notícias e às 19hs Passei de fato a cobrir a operação.

Dei uma volta pela Rocinha para continuar ouvindo alguns moradores, sempre informal e atento às conversas que não eram minhas. Se haveria confronto, apreensões, possíveis mortos, e claro a situação posterior a retomada de território. Das pessoas que ouvi, a maioria demonstrava contentamento com a pacificação. Dos argumentos prós, o maior era a possibilidade de criar seus filhos num ambiente sem armas e violência explícita. Em contrapartida uns demonstravam medo de um futuro território de milícia, afirmando que muitos que fariam parte da ocupação são pertencentes a grupos paramilitares. A discussão era boa.

Conversei com um morador que descia a estrada da Gávea, este que de início não se mostrou amistoso, ao saber que eu era morador, tornou-se bem receptivo.

Perguntei a ele no que a ocupação melhoraria sua vida. Em resposta um sonho de liberdade, de quem acreditou que saindo do nordeste encontraria vida boa no Rio de Janeiro. questionei se só com a ocupação policial ele conseguiria tudo que sonhou conquistar, ele me fitou e depois de muito pensar disse; “Eu já estou velho, não terei tempo para correr atrás de tantas coisas, mas meu neto vai”. E em meio ao clima tenso que pairava no ar e o asfalto escorregadio por conta do óleo derramado na pista, vi que a esperança é algo realmente forte, capaz de tornar o sonho em um plano de realização. Não quis me despedir sem antes também perguntar qual o primeiro passo dele depois da instalação da UPP. E com os mesmo olhos cobertos de sinceridade e inocência ele diz: “Arrumar uma boa escola para ele”. Ouvi alí a proposta de pacificação humana, o processo vivo de cidadania. Agradeci ao senhor com um aperto de mão, que também o ajudou a levantar e seguimos em frente, cada um com seu sonho, cada qual com seu plano, mas ambos entendiam o caminho.

Mas acima na localidade conhecida como Fundação, em frente a paróquia Nossa Senhora da Boa viagem, um grupo de senhoras conversavam em voz baixa sobre a ocupação. Uma se dizia feliz, mas com pena dos “meninos”, nós vimos um monte crescer, conheço muita mãe. Uma outra completa; “pois é, terá muita choradeira.” Nesse momento, me aproximei e me identifiquei. As senhoras ficaram nervosas e mesmo eu dizendo que era morador e que não iria expor ninguém, elas apenas me desejaram sorte e deram um fraterno sorriso. Como não prosseguir depois de receber uma benção coletiva dessas. Subi até o conjunto habitacional construído pelo PAC, a antiga garagem de ônibus, já estava noite e já entrei sabendo que seria mais difícil conseguir as entrevistas. Bati em algumas portas, as pessoas olhavam ouviam minha apresentação, mas me davam o não como resposta. Foi quando desci do prédio e um rapaz me parou, estava aparentemente embriagado e disse que me reconheceu como jornalista, que tinha me visto na televisão. Fora a citação de tinha me visto na televisão, aceitei o crédito de minha profissão. Perguntei a ele se estava indo para casa, que não havia muitas pessoas na rua. Em resposta o homem me abraçou, e disse que estava muito feliz, que estava sem trabalhos a mais de um ano. Perguntei porque não conseguia emprego e o que a ocupação tinha haver com essa mudança de quadro. O homem ficou sério e respondeu num tom quase sóbrio; “Você não mora aqui não, as pessoas lá fora pensam que nós somos amigos dos caras, um policial já me parou e disse que eu tinha cara de bandido. Quero ver ele falar agora.” Perguntei sobre o problema do desemprego e antes que eu pudesse completar meu raciocínio ele disparou; “Se aqui não tem bandido, já pode empregar tudo mundo direitinho.” Embora não tenha concordado muito com essa última fala, entendi qual o tamanho da luta. Depois de um pequeno trabalho para me despedir do homem que queria ficar abraçado comigo, retornei a parte baixa da comunidade.

Em frente ao carro da polícia estava um vendedor da Sky, lembrei que durante todo o processo de ocupação essas pessoas estavam alí vendendo assinatura. Me aproximei de um que dava entrevista para uma amiga jornalista e me integrei para também perguntar. Segundo Alexandre Ângelo somente naquele dia ele tinha vendido mais de 20 assinaturas, e que sua comissão já estava em mais de R$ 3 mil reais. Falei para ele que a ocupação era um bom negócio, de prontidão o Alexandre disse; “Para Sky é uma ótima, todo mundo que tinha sinal ilegal vai assinar Sky, só tem ela aqui por enquanto.” E completou seu lógico raciocínio; “Depois que for pacificado as empresas que irão dominar por aqui”. E com essa fala agradeci ao Ângelo e retornei a redação para pegar minha câmera e aguardar a entrada da polícia.

Na redação soube que a primeira prisão ocorreu bem em frente aos policiais, um homem com sintomas de overdose foi encaminhado por alguns moradores e bombeiros para o atendimento no hospital de campanha montando em frente a entrada da Rocinha. Ele era fugitivo do presídio Bangu 8, onde cumpria pena por assalto a mão armada. O clima de ocupação começava a fazer efeito em mim.

As casas estavam todas com as janelas fechadas e cortinas cerradas, algumas vezes era possível ver as pessoas nas frestas, mas rapidamente saiam da janela. Dentro das residências, as pessoas acompanhavam pela televisão tudo o que acontecia em seus próprios quintais.

Às 4h10 começou a operação, os blindados da marinha chegaram com os carros dos policiais do Bope, Core, Federal, uma entrada rápida seguida por um grupo de fotógrafos e jornalistas. Segui o grupo até próximo a estrada da Gávea, mas ao contar o número de imprensa e o número de policiais, vi que a cobertura era o plano maior por aqui, a ocupação já estava assegurada. Conversei com alguns fotógrafos que concordaram e descemos na madrugada tranqüila da Rocinha.

Do Twitter e do Facebook eu postava as notícias dos acontecimentos. Acionava meus contatos, amigos moradores da comunidade e assim conseguia ter um apanhado geral da situação. Às 6h45 depois de uma ocupação silenciosa retornamos para dentro da Rocinha para registrar apreensões, prisões e o tão esperado hasteamento da bandeira.

Depois de muito andar, correr, ir atrás de informações, o cansaço me venceu e como em um fim de um filme de sessão da tarde, eu dormi.

Com informações do coletivo TV Tagarela e Tatiana Lima

*Robson Melo é jornalista, morador da Rocinha e membro da TV Tagarela –

**Cria é o termo usado nas favelas para denominar um pessoa que nasceu e cresceu na favela.

Anúncios

Sobre Conversa no Banheiro

Uma jornalista fora do perfil. Repórter por essência.
Esse post foi publicado em comportamento, comunicação, Favela, Jornalismo, Profissão, Rio de Janeiro e marcado , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s